Nota do Enem segundo a Teoria de Resposta ao Item (TRI)

Atualizada em: 02/01/2014

Nota do Enem: entenda como é calculada a nota do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) pelo Teoria de Resposta ao Item (TRI)

A nota do Enem é sempre motivo de muita dúvida por parte dos estudantes e, também, dos professores das escolas e cursinhos de todo Brasil.  Como é amplamente divulgado pela mídia, a nota é calculada seguindo o modelo de Teoria de Resposta ao Item (TRI), que envolve cálculos relativamente complexos. Inicialmente, é importante destacar que a palavra ITEM corresponde a QUESTÃO.
No caso da TRI, a nota de cada ITEM varia de aluno para aluno. Ou seja, não há uma nota definida para cada questão. O valor do ITEM depende da COERÊNCIA dos ITENS ACERTADOS por quem fez a prova.


Prova do Enem

A prova do Enem é dividida em áreas do conhecimento: Linguagens, Códigos e suas Tecnologias; Matemática e suas Tecnologias; Ciências Humanas e suas Tecnologias; Ciências da Natureza e suas Tecnologias. Há, ainda, uma redação.

As 45 questões que compõem a prova de cada área, são distribuídas em questões fáceis, questões medianas e questões difíceis. Para conhecer o grau de dificuldade dessas questões, elas são pré-testadas. Todo ano, o MEC aplica provas a alunos do ensino médio em diversos colégios do Brasil. Com base na nota desses alunos, é determinado o grau de dificuldade de cada questão. São essas questões que comporão o banco de itens do MEC e que serão usadas nas provas dos anos subsequentes.  Assim, a prova é constituída por questões distribuídas em graus de dificuldade, como uma régua, que apresenta escalas de proficiência, como mostrado abaixo.

Nota do Enem

Neste exemplo, a questão 1 é mais fácil; enquanto a questão 35 é mais difícil.


Nota do candidato

Como dito acima, a nota de cada questão, vai depender da coerência das respostas do candidato. Vejamos o exemplo abaixo:

Nota do Enem

O candidato A acertou questões fáceis e medianas, errando as questões mais difíceis (coerência de resposta). Já o candidato B, acertou mais questões difíceis, errando as fáceis (incoerência de resposta à espera-se que quem acerte questões mais complexas, acerte também as mais fáceis). Nesse exemplo, as questões difíceis acertadas pelo candidato B têm grande probabilidade de terem sido acertadas no “chute”. Pela TRI, essas questões terão uma nota baixa.
Logo, no exemplo acima, embora tenham acertado o mesmo número de questões, o candidato A terá uma nota maior que o candidato B.
           
Valor máximo e mínimo de cada prova do Enem
Um outro ponto que merece ser destacado refere-se ao valor mínimo e ao valor máximo da prova: varia de ano para ano. É importante salientar que a nota mínima de cada prova não é zero e que a nota máxima não é 1000. Esses valores dependerão do grau de dificuldade das questões que comporão a prova. Quando a prova é composta por ITENS mais fáceis, o valor máximo será menor; quando é constituída por ITENS mais difíceis, o valor mínimo será maior.
A seguir, o valor máximo de cada prova nos anos 2010, 2011 e 2012 (nota para quem acertou as 45 questões de cada prova):


Ano 2010

 

Linguagens, Códigos e suas Tecnologias: 810,1
Matemática e suas Tecnologias: 973,2
Ciências Humanas e suas Tecnologias:  883,7
Ciências da Natureza e suas Tecnologias: 844,7


Ano 2011:
Linguagens, Códigos e suas Tecnologias:  795,5
Matemática e suas Tecnologias: 953,0
Ciências Humanas e suas Tecnologias:  793,1
Ciências da Natureza e suas Tecnologias: 867,2


Ano 2012

Linguagens, Códigos e suas Tecnologias:  817,9
Matemática e suas Tecnologias: 955,2
Ciências Humanas e suas Tecnologias:  874,9
Ciências da Natureza e suas Tecnologias: 864,9

Somente a prova de Redação tem uma nota que varia de 0 a 1000.